G bloG

Mais Músicas e Ví­deos, clicar aqui → 
Músicas:
  • WolfGanG Amadeus Mozart, Eine Kleine Nachtmusik, K525, 1787.
  • Bobby Vinton, Blue Velvet, 1963.
Ví­deos:
  • Nelly Furtado, All Good Things (Come To An End), 2006.
  • Paul Potts, Nessun Dorma, Britain's Got Talent, 17Jun2007.
____________________________________________________
____________________________________________________

Herrar é umano.

____________________________________________________

Nada está assim tão mal que não possa piorar.

____________________________________________________

Evoluir siGnifica mudar o foco do olhar,
do umbiGo para o horizonte.

____________________________________________________

domingo, 14 de outubro de 2007

Um post, duas partes...

Parte 1
Eu sou professor do ensino superior.
Tenho que confessar uma questão que me tem apoquentado verdadeiramente.
CheGam alunos ao ensino superior com uma iGnorância total e completa, nomeadamente, sem saberem exprimir-se correctamente, em especial, por escrito!
Questiono-me amiúde, que tipo de ensino secundário temos? E o que se passa verdadeiramente no primário?
Como é que se aceita a entrada no ensino superior de qualquer pessoa, muitas com notas neGativas do 12.º ano? Sem saberes, nem os de vida vivida?
É evidente que alGuns estabelecimentos do ensino superior só querem o dinheiro das matrículas e das propinas. Nestes, facilitam-se brutalmente as passaGens de ano, passam-se diplomas sem valor nenhum e sem terem custado "sanGue, suor e láGrimas" a quem lá esteve a "aprender"!
Há lonGos anos, comecei por cursar EnGenharia, depois licenciei-me em Economia, sempre no ensino público - também, naquele tempo, só havia o público e o concordatário.
Aquilo foi terrível: sabia-se, passava-se, não se sabia, não se passava, além de existirem as célebres prescrições e as precedências. Os períodos de exames coincidiam com as aulas, cheGuei a fazer diariamente 3 (três) exames escritos de Econometria - manhã, tarde e noite - durante 3 (três) seGuidos...
Havia que "arranhar" e "esGravatar" a sério, porque eles, os professores doutores e os assistentes, nem se ralavam que os alunos reprovassem... Mais, as taxas de desistências, loGo no 2.º ano, eram de 50%!
Tinha que haver qualidade, trabalho, esforço, transpiração e dedicação!
Terminei o curso de Economia com média de 15 (quinze) valores; 15 de sanGue, 15 de suor e 15 de láGrimas...
Mais tarde, 14 anos depois da Licenciatura, também da mesma forma, terminei um Mestrado, com a qualificação de "Muito Bom".
Assim, o que me tem apoquentado verdadeiramente é como estamos, aGora, a construir o futuro...


Parte 2
Eu sou um eterno aprendiz. Aprendiz dos outros, mas também de mim mesmo.
Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa (1977), o Diccionario da Lingua Portugueza (1912) e o Grande Dicionário da Língua Portuguesa (1939), um aprendiz é aquele que aprende um ofício ou arte, um principiante. Do Latim popular apprenditum, do baixo Latim apprehendivus e do Latim clássico apprehendere, é uma pessoa que aprende um ofício e, por extensão, se instrui com um mestre.
A origem latina clássica do termo não é por si só destituída de interesse, com efeito, apprehendere significa, em primeiro, sobre a sua forma transitiva, adquirir o conhecimento de qualquer coisa, tornar-se capaz de conhecer, de saber, iniciar-se (a um conhecimento, a um saber) e segundo, sobre a sua forma intransitiva, fazer conhecer, ensinar, dito de outra forma, receber também um saber, um saber-fazer, um conhecimento, uma arte, apreender.
Da mesma forma, o estudante encontra-se nesta situação paradoxal de ao ter de se tornar mestre de algo que não conhece, ter de readquirir a imagem do quotidiano.
Assim, o que me tem apoquentado verdadeiramente é como estamos, aGora, a construir o futuro...


O texto desta Parte 2 é, na sua quase totalidade, de um doutorando, Orpheu, de quem o plaGiei. ObriGado.

2 Sábias Opiniões:

  • Cheio de razão!

    por: Blogger Paula Raposo, @ 21:42  

  • Isso também me preocupa muito sobretudo porque contacto cada vez mais com profissionais que sabem muito de ratos mas pouco de medicina e de relações humanas.
    Cada vez mais o meu suado 15 de outrora é hoje inflacionado num 17 para alegria de todos pois todos sabem que é para o desemprego, e se não for? Que profissionais serão eles amanhã que cuidarão de nós?
    Esta questão merecia um debate público sério.

    por: Blogger Eclipse com Amor, @ 17:31  

Enviar um comentário

Link para este post

Criar uma hiperligação

<< Home